Thursday, August 11, 2022
Revista Científica Digital da SBEM-SP


Obesidade e covid-19: impacto em variados graus de IMC

Por Sylka Rodovalho , em OBESIDADE , dia 30 de junho de 2021 Tags:, ,

Em recente artigo publicado no Lancet Diabetes & Endocrinology, os autores investigaram a relação entre obesidade e a severidade da covid-19. A obesidade é o maior fator de risco para desfechos adversos da infecção por SARS-CoV-2. Nesse estudo prospectivo com 6,9 milhões de pessoas no Reino Unido entre 20 e 99 anos, o objetivo foi definir se essa relação seria espúria ou um viés de colisão, já que a obesidade per si e a severidade da covid-19 aumentam a chance de internação hospitalar.

Os estudos e as meta-análises anteriores já haviam reportado a associação da obesidade com o risco de desfechos graves da infecção, entretanto, incluíram pacientes obesos internados com sintomas de covid-19, mas não levaram em conta o impacto de variados graus de índice de massa corporal (IMC kg/m2) em diferentes grupos demográficos e em pessoas com outras doenças crônicas. O estudo encontrou uma associação entre o aumento progressivo do IMC e o risco de desfechos graves (internação hospitalar, admissão em Unidade de Terapia Intensiva-UTI ou morte).

  1. Há uma correlação linear entre a admissão na UTI por covid-19 e a progressão do IMC, e uma associação não linear para internação hospitalar e morte.
  2. Cada unidade de acréscimo no IMC acima de 23 kg/m2 está associada a aumento de risco de internação hospitalar (HR 1.05 [95% CI1.05-1.05]), admissão em UTI (HR 1.10 [95% CI1.09-1.10]) e morte (HR 1.04 [95% CI1.04-1.05]).
  3. A relação entre o IMC e a internação hospitalar e morte é uma curva em forma de J, provavelmente porque ambos os eventos estão ligados a fragilidade, que está mais comumente ligada a IMCs mais baixos.
  4. A associação do IMC e a gravidade dos desfechos não se associa à presença de diabetes tipo 2 (DM2) e a outras comorbidades.
  5. O IMC é um fator de risco mais impactante em jovens (20-39 anos) quando comparado com idosos (> 80 anos) e em negros comparado com brancos.
  6. O risco de morte aumenta somente em pessoas com IMC > 28 kg/m2.
  7. DM2 está presente em 1/3 da população do estudo.

Os mecanismos subjacentes relacionados a essa associação ainda não estão totalmente elucidados. As principais hipóteses são:

  1. O aumento da gordura visceral além do IMC tem plausabilidade porque grupos com os desfechos mais graves (homens, negros e DM2) apresentam tendência em depositar gordura no tecido visceral e em outros tecidos como fígado, coração e músculo esquelético (gordura ectópica);
  2. O excesso de peso causaria dificuldade no manejo desses pacientes, como dificuldade na intubação, no posicionamento e movimentação pelo staff de enfermagem;
  3. O estado pró-infamatório crônico de baixo grau da obesidade.

Esse grande e representativo estudo populacional acrescenta alguns pontos que considero relevantes: demonstrou que mesmo pequenos aumentos no IMC acima de 23 kg/m2 estão associados a um pior desfecho da covid-19. A população mais afetada pelo IMC são os jovens (20-39 anos) e os negros. O excesso de peso, mesmo na ausência de outras doenças, está associado ao risco aumentado de hospitalização e morte, principalmente em jovens.  O excesso de peso é um fator de risco modificável, assim o controle do sobrepeso e da obesidade e estratégias preventivas em longo prazo podem reduzir a gravidade da covid-19.

Dra. Sylka Rodovalho – Clique para ver o CV lattes


Referência:

Associations between body-mass index and COVID-19 severity in 6·9 million people in England: a prospective, community-based, cohort study

imagem: iStock

Comments


Deixe um comentário


O seu endereço de e-mail não será publicado.